quarta-feira, março 01, 2006

Caminha - Percursos Pedestres

……

  • P.R.1 - Trilho da Chã Grande
(aceder ao folheto informativo)


Extensão: 12 km
Local de partida/chegada: largo da Igreja de Arga de Baixo
Nível de dificuldade: fácil
Duração: cerca de 4,5 horas
Tipo de Percurso: Percurso circular.
Roteiro: Seguimos pela estrada alcatroada em direcção à povoação de Arga de Cima. Percorridos uns escassos metros, viramos à direita por um caminho onde uma placa de indicação assinala o início do percurso. Abandonamos o caminho para calcorrear um trilho que nos conduzirá a um pequeno prado rodeado pelo caos granítico. Pouco depois, seguimos por um velho caminho empedrado denominado carreteiro que, até há pouco tempo, era percorrido por carros puxados por juntas de bois que carregavam a lenha e os matos e, com as suas rodas, iam marcando, pouco a pouco, as largas lajes do caminho. Uma vez chegados a uma pequena chã, conhecida pela Chã do Meijão, o caminho lajeado dá lugar a um trilho bem marcado pela passagem dos rebanhos, o qual nos levará a atravessá-la para retomarmos o caminho de lajes. Gradualmente, vamos ganhando altitude e, a cerca de 700 metros, no Alto do Campo Redondo, podemos avistar, à nossa direita, os prados que constituem o lugar de Valverde. Daqui seguimos em direcção ao Alto da Fonte da Urze, onde nasce o rio Âncora e onde podemos observar a imensidão da Chã Grande. Seguimos por um caminho empedrado que ruma em direcção a nascente e que nos fará, num itinerário serpenteante, descer até aos moinhos de Covão, já na povoação de Arga de Cima. Após andarmos algum tempo por entre o rústico casario, atravessamos o lugar da Gândara e seguimos por um caminho de lajes que nos levará ao lugar de Meijão, já na povoação de Arga de Baixo, onde poderemos observar as típicas casas alto-minhotas, os verdes campos cercados por muros de pedra solta e os conservados espigueiros para, pouco tempo depois, regressarmos, pelo coração da Serra D’Arga, ao ponto de partida deste percurso



  • Trilho da Pedra Alçada
(aceder ao folheto informativo)

Ponto de Partida: Largo da Igreja de Arga de Baixo
Distância Percorrida: 11,5 Km
Duração do Percurso: 4 a 5 horas
Grau de Dificuldade: Moderado
Cota Máxima Atingida: 742 metros (Pedra Alçada)
Âmbito do Percurso: Ecológico-Panorâmico
Tipo de Percurso: Percurso circular.
Roteiro: seguimos um velho caminho empedrado que surge à nossa esquerda e que nos leva a cruzar uma pequena chã. Próximo de uma casa de guarda-florestal, em estado de abandono, seguimos o caminho de lajes, deixando para trás a serrana povoação de Arga de S. João. À medida que subimos, serpenteamos as encostas de Alto das Penas e Alto da Coroa até chegarmos a uma estrada florestal. Aí, viramos à direita, em direcção ao mar, para alcançarmos o ponto mais alto do concelho de Caminha – Pedra Alçada – com 742 metros de altitude. Deste lugar temos uma esplêndida vista panorâmica sobre o mar e sobre a foz dos rios Minho e Coura.
Retomando a mesma estrada florestal, descemos pelo lugar de Curros Grandes até um pequeno prado de montanha, conhecido por Chã do Guindeiro, onde podemos observar garranos pastando livremente. Daqui, viramos à esquerda, descendo, seguindo o regato da Fisga, o qual nos levará, por um caminho de lajes, a um belo bosque. Pouco depois, encontramo-nos no Mosteiro de S. João d’Arga, um local profundamente mítico e de elevada beleza. Continuamos o caminho, por um trilho que se nos depara à esquerda, junto à área recreativa do mosteiro, descendo e acompanhando o ribeiro de S. João que, no seu curso vai criando belas cascatas e refrescantes piscinas naturais.
Ao chegarmos à estrada florestal viramos à esquerda e, passados poucos metros, voltamos a virar esquerda para subirmos por um caminho que nos levará até à povoação de Arga de S. João, podemos observar a rusticidade do respectivo casario, com as eiras e espigueiros típicos, chegando ao final deste belo passeio pela Serra D’Arga.



  • Trilho do Cabeço do Meio Dia
(aceder ao folheto informativo)

Ponto de Partida: Capela de Santo Antão (também vulgarmente conhecido pelo santo do chocalho, na povoação de Arga de Cima)
Ponto final: Pontão do Lobo em Arga de Cima
Distância Percorrida: 8 km
Duração do Percurso: 3 horas
Grau de Dificuldade: Fácil
Cota Máxima Atingida: 550 metros (Cabeço do Meio Dia)
Âmbito do Percurso: Cultural
Tipo de Percurso: Percurso circular.
Roteiro: O respectivo ponto de partida localiza-se, precisamente, no entroncamento da estrada de alcatrão e do caminho florestal. Seguindo por este caminho e virando, pouco depois, à esquerda, percorremos um trilho de pastores que nos conduzirá a um abrigo de caçadores de lobo. Daqui seguimos o trilho que desembocará na estrada florestal. Passado algum tempo, deixamos esta estrada florestal para atravessarmos o ribeiro de Pombas e aproveitamos para visitar o Moinho das Pombas de Baixo. Alguns metros à frente viramos à direita para seguirmos um caminho lajeado que nos levará ao Moinho Velho.Continuando a descer, desembocamos num caminho florestal, o qual nos conduzirá ao Moinho Novo. Daqui, rumamos em direcção ao lugar de Varziela que faz parte do território da povoação de Arga de Baixo. Visitado o pequeno lugar, iniciamos uma curta ascensão por uma estrada florestal que nos levará ao Cabeço do Meio-Dia, que ostenta 550 metros de altitude. Retomando o mesmo caminho, agora em sentido descendente e chegados ao lugar de Varziela, seguimos o caminho que nos conduzirá à Ponte de Porto Carro e ao Moinho de Baixo.
Regressamos ao caminho para, seguindo para montante o ribeiro da Arga, visitar, desta forma, a bela Ponte e Moinho. Deste local, seguimos pela estrada florestal, em direcção a Arga de Cima, visitando, pelo caminho, o Moinho da Fíchua e o lugar da Gândara. Pouco depois, no regato da Fraga, encontramos, à nossa direita, os Moinhos da Gândara e, escassos metros à frente e cruzando o regato, um interessante elemento de inestimável valor do património arquitectónico.
Aqui, no Pontão do Lobo, termina este belo percurso, por terras de Caminha."



  • Trilho da Chã da Franqueira
(aceder ao folheto informativo)

Extensão: 5 km
Tipo de Percurso: Circular
Local de partida/chegada: Arga de Baixo
Nível de dificuldade: fácil
Duração: cerca de 2 horas
Roteiro: Partindo da Igreja de Arga de Baixo, contornamos o cemitério e seguimos por um trilho que atravessa uma pequena mancha de carvalhos seguindo um regato que vai desaguar no ribeiro de S. João. Este trilho, que nos oferece vistas panorâmicas da Serra d’Arga, termina no lugar de Lapeir. De seguida, continuamos por um caminho empedrado que dá lugar a um velho caminho de lajes, bem marcado pela passagem dos carros de bois.
Este antigo e bem conservado caminho leva-nos a visitar lugares, de singular beleza, onde a arquitectura popular das casas encontra-se em completa harmonia com a paisagem que nos rodeia. Pelo mesmo caminho, somos conduzidos a espaços naturais únicos e, junto de uma bela mancha de seculares sobreiros, destacam-se as Quedas de Água das Penas, no Ribeiro da Arga.
Este caminho, que nos permite observar os campos agrícolas trabalhados em socalcos, para um melhor aproveitamento da água, termina no pequeno lugar do Castelo, junto à ermida de culto à Sr.ª da Rocha.
Deste local, seguimos por um trilho de pastores que, ascendendo, nos levará a cruzar a pequena Chã da Franqueira. Terminamos no lugar das Castinhas, muito próximo do local onde teve início este pequeno e fácil percurso no seio da Serra d’Arga.


  • Trilho Por Entre o Mar e Montanha
(aceder ao folheto informativo)

Extensão: 19,3 km
Tipo de Percurso: Circular
Local de partida/chegada: Parque de Campismo da Mata Nacional do Camarido
Nível de dificuldade: moderado
Duração: cerca de 6 horas
Roteiro: percorre-se um caminho junto ao rio, atravessa-se a EN 13, seguimos pelo interior da casario para continuarmos até às muralhas. Parámos no 1º miradouro para apreciar e desfrutar da belíssima paisagem sobre o Estuário dos rios Minho e Coura. Daqui seguimos em direcção a um segundo miradouro, denominado Miradouro da Fraga. Seguimos por um caminho florestal, atravessámos o parque eólico e passado algum tempo alcança-se o marco geodésico do Alto de Espiga (o ponto mais elevado do percurso - 410 metros). Continuamos pelo caminho florestal para pouco depois, virarmos à direita e visitarmos a ermida românica de S. Pedro de Varais, onde se observa uma magnífica paisagem sobre o vale do rio Âncora e a costa atlântica.
Sguimos pelo caminho florestal até ao marco geodésico do Cobertorinho e, de seguida, um cruzeiro que culmina no penedo do Sino dos Mouros. Depois de se atravessar a EN 13, chega-se à praia de Moledo. Passa-se esta praia minhota para, posteriormente, nos embrenharmos na Mata Nacional do Camarido até se chegar ao ponto onde teve início este percurso.




4 comentários:

Avelino Jesus disse...

Olá. Chamo-me Avelino Jesus, tenho 55 anos, sou natural e residente do Porto. Sou um amante de caminhadas. Já as faço à bastantes anos. Nestes últimos seis, com outra situação de vida, permite-me fazê-las, por este país, com mais frequência.
Permitam-me dois comentários, um positivo outro negativo.
Através da internet imprimi folhetos de dois percursos na Serra D'Arga. "Trilho da Pedra Alçada" e "Trilho do Cabeço do Meio Dia".
Começo pelo negativo. A 20/10/2008 chego a Arga de S.João. Procuro junto da Igreja a placa de início de percurso, assim como as marcações, conforme indicação no folheto. Não encontro nada. Ao final da tarde, dirijo-me à junta de freguesia, que fica perto e falo com o seu presidente. Fico um pouco espantado, ao ouvi-lo dizer que nunca víu tal placa, assim como as marcações. Apesar desta informação, ao outro dia lá parti para a caminhada, confiante que poderia encontrar algumas marcações. Enganei-me. Com a existência de novos estradões e uma carta militar de escala alterada, foi difícil encontrar o caminho certo, obrigando-me a um desgaste quer físico como mental, este porque o tempo passa e começa a apoderar-se de nós um certo receio da noite cair.
O comentário positivo é referente ao "Trilho do Cabeço do Meio Dia", por mim feito a 22/10/2008.
As marcações do percurso estão bem visíveis. Há um pequeno senão que requer mais atenção. Junto à linha d'água, entre os pontos 8 e 9, Moínho e Ponte das Traves, talvez por causa do crescimento do mato, não encontrei o trilho e tive que andar um pouco a corta-mato, acima e abaixo. Em virtude disto também não vi marcações, foi difícil encontrar a ponte das Traves.
Este percurso correspondeu às minhas expectativas, bonito e agradável de seguir.
NOTA: Dois percursos e cartas militares diferentes.
Trilho Pedra Alçada, carta militar de escala alterada. Penso sem necessidade, pois o percurso cabe dentro do espaço destinado à carta militar, com esta à escala de 1:25 000.
Trilho Cabeço Meio Dia, carta militar à escala certa, boa visibilidade, cinco estrelas.
Assim dificilmente, mesmo que desapareçam marcações, o caminheiro se perde, basta saber lêr o mínimo de carta militar.
Procurem sempre pôr os percursos em carta militar na escala 1:25 000.
Despeço-me, agradecendo a possibilidade que me dão, que ao viajar por este país, satisfaça o meu hobi preferido.
As minhas desculpas a alguma indelicadeza, sem qualquer intenção.
Cumprimentos e até breve.
Avelino Jesus
(av_jesus@hotmail.com)

fernando_vilarinho disse...

Oi, Viva Adelino
Indelicadeza nenhuma da sua parte ;) Li com muito agrado o seu comentário e refere aspectos que são úteis a quem faz caminhadas.
Apraz-me que faça caminhadas pelo nosso belo país.
Já fiz três vezes o "Trilho da Pedra Alçada" e nunca fiz o "Trilho do Cabeço do Meio Dia". Relativamente ao "Trilho do Cabeço do Meio Dia" alguns amigos meus já fizeram e corroboram da sua opinião: bem sinalizado e bonito. No que se refere ao "Trilho da Pedra Alçada" é um trilho que fiz pela 1ª vez em 2005 e repeti-o mais 2 duas vezes (aí já como guia), e sempre o encontrei muito mal sinalizado, e nem sei se alguma vez esteve bem sinalizado! A parte melhor da sinalização é entre o mosteiro de S. João da Arga (4) e o marco geodésico da Pedra Alçada (2). Já entre o S. João da Arga e (o que no mapa designam por) Ladeiras, seguindo o ribeiro de S. João (e o belo vale) possui muita vegetação e é com muita dificuldade que se passa
Face aos aspectos anteriores mudei um pouco o percurso para o que na figura seguinte vem a azul
mapa alterado

No meu caso não tive dificuldades de ver numa carta topográfica 1:25000 o percurso "Trilho do Cabeço do Meio Dia" e ver possíveis alternativas

Cumprimentos e continue a fazer o que gosta,
fernando

Álvaro disse...

No dia 30/01/2011 fiz o "Trilho da Pedra Alçada" e é com agrado que verifiquei que seguindo o ribeiro de S. João já não existe a luxuriante vegetação que quase tapava o caminho.

Paula disse...

Olá a todos!Não sei se alguém me pode ajudar com esta questão: a distância indicada dos percursos refere-se a ida e volta ou apenas á viagem do ponto de inicio até ao ponto de partida?